"Não importa para onde vamos ou de onde voltamos. O que importa são as experiências únicas e os cenários surpreendentes com que nos deparamos. Viajamos em busca do que a vida pode nos revelar, num verdadeiro banquete de sabores, cores e sons."
E confesso: não tem graça nenhuma viajar e não contar para alguém, mostrar as fotos, compartilhar....
Voltar para casa também é uma experiência maravilhosa que só podemos sentir quando viajamos.


Várias fotos que ilustram as postagens são retiradas da Net.

Cidade do Rio de Janeiro 4 - 2009 – Rio de Janeiro

 
SETEMBRO 2009





City tour
Começo o City tour com o nascer do sol na orla de Copacabana nesta panorâmica modestamente feita por mim. Sou apaixonada por este visual. É espetacular!

]

Não existe nada mais representativo do Rio de Janeiro do que esta imagem do Cristo Redentor.


Museu da República, antigo Palácio do Catete. Visita obrigatória.


Retrato da Belle Époque e estilo Art Noveau a Confeitaria Colombo é um passeio imperdível.


A Casa Cavé que conta quase 150 anos é lugar de comer Pastéis de Belém.



Modernidade e sofisticação compõem o Shopping Leblon, o único shopping do Rio de Janeiro a participar do Fashion's Night Out, no dia 10 de setembro 2009. Este evento promovido pela Revista Vogue aconteceu em 14 capitais como Paris, Nova York, Milão, Moscou, Madri, São Paulo, etc.

Copacabana e o Poeta



Em Copacabana, tive uma longa conversa com o Carlos. Ele reclamou da maldade daqueles que quebraram seus óculos e que até hoje não consertaram. Contei pra ele que estivera no Shopping Leblon, onde achei tudo muito sofisticado cheio de grifes e marcas, onde poderia até encontrar óculos que substituissem o antigo. Ele então, disse o seguinte:
Eu, Etiqueta

Carlos Drummond de Andrade

Em minha calça está grudado um nome
que não é meu de batismo ou de cartório, um nome... estranho.
Meu blusão traz lembrete de bebida que jamais pus na boca, nesta vida.
Em minha camiseta, a marca de cigarro que não fumo, até hoje não fumei.
Minhas meias falam de produto que nunca experimentei mas são comunicados a meus pés.
Meu tênis é proclama colorido de alguma coisa não provada por este provador de longa idade. Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro, minha gravata e cinto e escova e pente,
meu copo, minha xícara, minha toalha de banho e sabonete,
meu isso, meu aquilo, desde a cabeça ao bico dos sapatos, são mensagens,
letras falantes, gritos visuais, ordens de uso, abuso,
reincidência, costume, hábito, premência, indispensabilidade,
e fazem de mim homem-anúncio itinerante,
escravo da matéria anunciada.
Estou, estou na moda.
É doce estar na moda, ainda que a moda seja negar minha identidade,
trocá-la por mil, açambarcando todas as marcas registradas,
todos os logotipos do mercado.
Com que inocência demito-me de ser eu que antes era e me sabia
tão diverso de outros,
tão mim-mesmo, ser pensante, sentinte e solidário
com outros seres diversos e conscientes de sua humana,
invencível condição.
Agora sou anúncio, ora vulgar ora bizarro,
em língua nacional ou em qualquer língua (qualquer, principalmente).
E nisto me comprazo, tiro glória de minha anulação.
Não sou - vê lá - anúncio contratado.
Eu é que mimosamente pago para anunciar,
para venderem bares festas praias pérgulas piscinas,
e bem à vista exibo esta etiqueta global no corpo
que desiste de ser veste e sandália de uma essência tão viva,
independente, que moda ou suborno algum a compromete.
Onde terei jogado fora meu gosto e capacidade de escolher,
minhas idiossincrasias tão pessoais,
tão minhas que no rosto se espelhavam,
e cada gesto, cada olhar, cada vinco da roupa resumia uma estética?
Hoje sou costurado, sou tecido, sou gravado de forma universal,
saio da estamparia, não de casa, da vitrina me tiram, recolocam,
objeto pulsante mas objeto que se oferece
como signo de outros objetos estáticos, tarifados.
Por me ostentar assim,
tão orgulhoso de ser não eu,
mas artigo industrial, peço que meu nome retifiquem.
Já não me convém o título de homem.
Meu nome novo é coisa.
Eu sou a coisa, coisamente.

CORCOVADO




Estivemos no Rio de Janeiro entre 8 e 11 de setembro para comemorarmos o aniversário do meu marido. Às 9h 9m e 09s do dia 09/o9/2009 estávamos no Trem que leva ao Corcovado.



Comemoramos no Restaurante Skylab, 30º andar do Rio Othon Palace, com uma vista espetacular da Praia de Copacabana.



Como Entrada optei por uma Tarte fina de tomate e queijo de cabra, servida com compota de cebola ao vinagre balsâmico e folhas crespas. Euripedes preferiu uma Mil Folhas com tomates recheados de queijo de cabra.
Para Prato Principal, optamos por Costela de Tambaqui assada com Manteiga de Amendoim servida com Espinafre no Alho e Crumble de Bananas.
E de Sobremesa a escolha foi por Manga e Mirtilo gratinados com Creme de Amêndoas.
Impecável. Aromas e Sabores indiscutíveis.

HAIRSPRAY


Fomos assistir HairSpray, em cartaz no Teatro Oi Casa Grande e gostei... "pero no mucho".
Edson Celulari canta,dança e faz direitinho o papel da mãe gorda de uma tb gordinha.
Simone Gutierrez, a filha, rouba a cena, ela é fantástica. Está estreando na Malhação.
Danielle Winitz ....não acrescenta, só participa.
Arlete Sales transpôs a Copélia do "Toma lá, dá cá " para o musical.
Jonatas Faro está na medida certa.
Totalmente dispensáveis as falas e gestuais com conotação sexual que tornam o musical um pouco patético e apelativo.

Clique no link para visualizar as outras fotos
Setembro 2009 – Euripedes e eu
Algumas fotos Google Imagens